NOTÍCIAS

/ NOTÍCIAS

O poder do LinkedIn: o que fazer e o que não fazer
11 Mar 2020

Não é novidade que o LinkedIn tem ganho cada vez mais poder entre as redes sociais destinadas ao mundo empresarial. Rara é a empresa/negócio que hoje não inclui esta rede social na sua estratégia de marketing digital, tendo este até já ultrapassado os 610 milhões de membros atualmente (fonte: LinkedIn).

 

A questão é: será que todos estes membros estão a utilizar a plataforma da forma correta e a retirar o melhor proveito desta? Spoiler alert: a grande maioria não. Por esta razão recolhemos uma lista das várias práticas que pode começar a implementar para otimizar a sua estratégia e começar realmente a entender o poder do LinkedIn.

 

       1. Tenha uma abordagem personalizada a cada contacto

 

Todos queremos ter os decisores de topo e os maiores influenciadores da nossa área de negócio na nossa rede de contactos do LinkedIn. No entanto, a tendência geral é enviar pedidos de conexão sem qualquer mensagem associada ou, ainda mais comum, com uma nota padrão da qual fazemos copy-paste e enviamos para todas as pessoas.

 

Possivelmente isto explica o porquê de muitos dos seus pedidos não terem sido aceites. Ninguém gosta de se sentir “só mais um” no meio de uma multidão de profissionais. O truque é conseguir mostrar porque é que precisa dessa pessoa na sua rede e, essencialmente, que valor essa conexão poderá trazer para ela/ele no futuro.

 

SIM: mensagens personalizadas, originais e que façam o outro sentir-se “especial”.

 

NÃO: pedidos “soltos” ou com mensagens padrões que nada cativam quem está do outro lado.

 

 

       2. Overload de conteúdo e interação

 

Esta é tarefa mais básica que podemos desempenhar no LinkedIn. 40% dos utilizadores desta plataforma visitam-na diariamente e é isto que faz a diferença. A participação através de reações, comentários e partilhas é essencial para começarmos a estabelecer o nosso estilo pessoal nesta rede.

 

Mas atenção porque nem todo o conteúdo tem valor. Muitas pessoas reagem a publicações que nem sequer leram, comentam conteúdo com frases de spam e copy-paste, ou partilham artigos aos quais não adicionam nenhum contexto, ou interpretação. De que nos serve ver que a pessoa x partilhou algo se esta não explica porque devo ler esse conteúdo?

 

SIM: passar pelo menos 20 minutos por dia no LinkedIn, entregar conteúdo valioso às suas conexões e criar uma comunidade verdadeira com estas.

 

NÃO: reagir a textos só porque sim, fazer spam ao seu negócio ou partilhar artigos dos quais só leu o primeiro parágrafo.

 

       3. Vídeos e mais vídeos

 

Com a introdução da possibilidade de publicarmos vídeos diretamente no LinkedIn (em vez de através de outras plataformas, como o Youtube, por exemplo), o algoritmo passou a dar prioridade a este tipo de conteúdos. Na prática, isto significa que, entre mostrar primeiro a sua publicação em formato de vídeo, ou a publicação de outra empresa que só contem texto, o LinkedIn irá estender a passadeira vermelha só para si e deixá-lo brilhar.

 

SIM: apostar mais em vídeos, intercalando com outras publicações mais esporádicas de artigos ou imagens.

 

NÃO: deixar os vídeos de lado porque exigem mais tempo, trabalho e, por vezes, dinheiro.

 

 

       4. Aposte em hashtags

 

Para além de trazerem resultados orgânicos fantásticos, ao nível dos anúncios pagos, os hashtags também são incrivelmente eficazes na captação de leads. Quando querem descobrir novos profissionais de uma determinada área, ou simplesmente analisar opiniões diferentes sobre um tema específico, as pessoas pesquisam por hashtag. Esta poderá ser a oportunidade perfeita para dar destaque à página do seu negócio.

 

Adicionalmente, os hashtags personalizados são cada vez mais utilizados. Por exemplo, criar um hashtag específico da sua equipa, que os seus colaboradores possam utilizar quando partilham as publicações da empresa, irá ajudar a desenvolver a sua notoriedade. Outra ideia é também adicionar a página da empresa a grupos específicos da sua área de negócio, onde se poderá relacionar com conexões altamente relevantes.

 

SIM: combine os hashtags específicos da sua área de negócio com os hashtags personalizados da sua empresa.

 

NÃO: texto sempre solto e nunca acompanhado por 3/4 hashtags.

 

       5. Colaboradores são embaixadores

 

Os maiores fãs e embaixadores da sua empresa devem ser os seus colaboradores. É importante incentivá-los a partilharem os conteúdos da página da empresa com a sua rede pessoal de conexões. Isto trará não apenas um maior reconhecimento para a empresa, mas também fará os seus colaboradores crescerem no LinkedIn.

 

SIM: garanta que os seus colaboradores já estão no LinkedIn e mostre-lhes as vantagens de serem embaixadores da sua própria empresa.

 

NÃO: apostar milhares de euros em publicidade e esquecer-se de que os seus colaboradores podem ser a melhor forma de conseguir resultados.

 

       6. Confiança e persistência

 

O lado bom (e mau) do LinkedIn é que é tão fácil sermos encontrados e tão fácil sermos esquecidos.  Como tal, é crucial ter uma atitude persistente no que toca a esta plataforma e nunca esquecer que os resultados irão chegar. Muitos dias irá sentir que o retorno que está a obter não equivale ao esforço que investiu, no entanto, se mantiver uma linha de comunicação coerente e não perder a confiança, os melhores dias da sua página de LinkedIn chegarão.

 

Acredite quando lhe dizemos que o LinkedIn pode ser a melhor rede social para a sua empresa/negócio, só tem que aprender a utilizá-la da forma mais rentável possível. A partir de hoje, com as dicas Flybizz nunca mais ficará para trás.